ENEM – também tem – Questão 01

ENEM – também tem – Questão 01

 

Na postagem de hoje vamos ler, comentar e decidir qual é a alternativa correta. É interessante notar que também são exigidos conhecimentos gerais sobre a história e a cultura mundiais, não se tratando apenas das regras do português. Se você não souber quem é Freud, o que representou a Guerra Civil Espanhola e os movimentos artísticos na Europa do século XX, não saberá responder a questão abaixo. Tudo está interligado.

Vamos lá então, vamos ler:

Já no enunciado podemos ver que se trata de parágrafo de um livro escrito por Néret, G. e existem duas pessoas que falam: a primeira é o próprio artista, Salvador Dalí e a segunda, é o autor do livro. É necessário prestar muita atenção ao que é solicitado.

ENEM – 2010/Linguagens códigos e suas tecnologias.

ENEM - 01

“Todas as manhãs, quando acordo, experimento um prazer supremo: o de ser Salvador Dalí.”

NÉRET, G. – Salvador Dalí.

Assim escreveu o pintor dos ‘relógios moles’ e das ‘girafas em chamas’ em 1931. Esse artista excêntrico deu apoio ao general Franco durante a Guerra Civil Espanhola e, por esse motivo, foi afastado do movimento surrealista por seu líder, André Breton. Dessa forma, Dalí criou seu próprio estilo, baseado na interpretação dos sonhos e nos estudos de Sigmund Freud, denominado “método de interpretação paranoico”. Esse método era constituído por textos visuais que demonstram imagens

a) da linha inflexível da razão, dando vazão a uma forma de produção despojada no traço, na temática e nas formas vinculadas ao real.

b) do onírico, que misturava sonho com realidade e interagia refletindo a unidade entre o consciente e o inconsciente como um universo único ou pessoal.

c) da expressão e intensidade entre o consciente e a liberdade, declarando o amor pela forma de conduzir o enredo histórico dos personagens retratados.

d) do reflexo que, apesar do termo ‘paranoico’, possui sobriedade e elegância advinda de uma técnica de cores discretas e desenhos precisos.

e) do fantástico, impregnado de civismo pelo governo espanhol, em que a busca pela emoção e pela dramaticidade desenvolveram um estilo incomparável.

 

Surrealismo – um pouco de informação.

“O movimento surrealista nasceu no início do século XX, em Paris, fruto das teses de Sigmund Freud, criador da Psicanálise, e do contexto político indefinido que marcou esse período, especialmente a década de 20. O Surrealismo questionava as crenças culturais então vigentes na Europa, bem como a postura humana, vulnerável frente a uma realidade cada vez mais difícil de compreender e dominar…” Veja mais em Surrealismo.

Agora vamos responder:

Pode ser a alternativa (a) da linha inflexível da razão, dando vazão a uma forma de produção despojada no traço, na temática e nas formas vinculadas ao real?

Não, não pode, pois a linha inflexível da razão, produção despojada no traço, temática e formas vinculadas ao real não correspondem às características do Surrealismo.

 

Pode ser a alternativa (b) do onírico, que misturava sonho com realidade e interagia refletindo a unidade entre o consciente e o inconsciente como um universo único ou pessoal?

Sim, pode. O onírico é sinônimo de sonho e a unidade entre consciente e inconsciente fazem um universo pessoal, próprio de cada um. Representa uma das características do Surrealismo.

 

Pode ser a alternativa (c) da expressão e intensidade entre o consciente e a liberdade, declarando o amor pela forma de conduzir o enredo histórico dos personagens retratados?

Não, não pode. Os personagens retratados não possuem características de consciência e o enredo não apresenta conteúdo histórico, os conteúdos do surrealismo são de natureza psicológica individual.

 

Pode ser a alternativa (d) do reflexo que, apesar do termo ‘paranoico’, possui sobriedade e elegância advinda de uma técnica de cores discretas e desenhos precisos?

Não, não pode. Não há nenhuma sobriedade, nem cores discretas e muito menos, desenhos precisos. Há o inconsciente, o irracional, o estranho.

 

Pode ser a alternativa (e) do fantástico, impregnado de civismo pelo governo espanhol, em que a busca pela emoção e pela dramaticidade desenvolveram um estilo incomparável?

Não, não pode. Mas poderia confundir os menos atentos, pois é dito que o artista apoiou o general Franco em sua época. O fantástico não tem nenhum traço de civismo, posição política ou racional. Não busca a emoção ou dramaticidade, apresenta um distanciamento da realidade concreta e se embrenha nos sonhos e irracionalidade.

 

A alternativa correta, portanto, é a b).

ENEM-01

 

Alguma dúvida, sugestão ou pergunta, favor deixar nos comentários. Responderei o mais rapidamente possível.

Até a próxima.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta