Como aprender ortografia para concursos

Como aprender ortografia para concursos

Quem vai prestar concurso público, vestibular ou exame do Enem terá de aprender o português em sua forma culta.

Muitas pessoas se descuidam porque acham que sabem, que dominam o idioma, pois é a sua língua mãe. Mas não é bem assim. Nas provas formais espera-se que os candidatos tenham conhecimento teórico e prático da matéria. A língua falada e a língua escrita são bem diferentes e apenas a intuição não será suficiente para alcançar o sucesso. É preciso estudar mesmo.

Gramática, Sintaxe e Semântica deverão ser aprendidas em profundidade. É obrigatório o uso da norma culta.

E para começar nosso estudo podemos então abordar a Ortografia, ou seja, a escrita correta. Como se escreve corretamente. É assunto extenso e vamos listar os sons (fonemas) e suas formas (grafias).

 1 – O som ‘esse’ – fonema.

Escreve-se com ‘s’

– Derivados de verbos com radical em nd, rg, rt, pel, corr e sent.

Pretender – pretensão/ expandir – expansão/ ascender – ascensão/ inverter – inversão/  submergir – submersão/ divertir – diversão/ impelir – impulsão/ repelir – repulsa/ sentir – sensível/ recorrer – recurso/ consentir – consenso.

Escreve-se com ‘ss’

– Derivados de verbos com radical terminando em gred, ced, prim ou terminando por tir ou meter.

Agredir – agressivo/ imprimir – impresso/ admitir – admissão/ ceder – cessão/ exceder – excesso/ repercutir – repercussão/ oprimir – opressão/ comprometer – compromisso/ submeter – submissão.

– Quando o prefixo termina com vogal e se une a palavra iniciada por ‘s’.

A + simétrico= assimétrico/ re + surgir= ressurgir.

– Para a forma verbal pretérito imperfeito simples do subjuntivo.

Ficasse, falasse, terminasse.

ortografia

Escreve-se com ‘c’ ou ‘ç’.

– Palavras de origem árabe:

Cetim, açucena, açúcar.

– Palavras de origem tupi, africanas ou exóticas:

Cipó, Juçara, caçula, cachaça, cacique.

– Sufixos em aça, aço, ação, çar, ecer, iça, nça, uça, uçu:

Barcaça, ricaço, aguçar, empalidecer, carniça, caniço, esperança, carapuça, dentuço.

– Palavras derivadas do verbo ter e seus compostos:

Abstenção, detenção, atenção, retenção, manutenção.

– Após ditongos (duas vogais na mesma sílaba):

Foice, coice, traição.

– Palavras derivadas de outras terminando em te e to(r):

Marte – marciano/ infrator – infração/ absorto – absorção.

2 – O fonema – som – ‘zê’

Escreve-se com ‘s’:

– Os sufixos em ês, esa, esia, e isa, quando o radical é um substantivo, também para gentílicos e títulos de nobreza.

Freguês – freguesa – freguesia / poetisa/ princesa/ baronesa/ japonês – japonesa.

– Os sufixos gregos: ase, ese, ise e ose.

Catarse, catequese, osmose, metamorfose, analise, mesóclise.

– As formas verbais pôr e querer.

Pôs, pus, puseram/ quis, quisemos, quisera.

– Nomes derivados de verbos com radicais terminados em ‘d’.

Decidir – decisão/ aludir – alusão/ difundir – difusão/ confundir – confusão/

– Os diminutivos de nomes cujos radicais terminam com ‘s’.

Luís – Luisinho/ Rosa – Rosinha/ lápis – lapisinho.

– Após ditongos.

Coisa, pausa, pouso.

– Em verbos derivados de nomes cujo radical termina com ‘s’.

Pesquisa – pesquisar/ análise – analisar.

Escreve-se com ‘z’:

– Os sufixos ez e eza das palavras que derivam de adjetivos.

Firme – firmeza/ frio – frieza/ macio – maciez/ pálido – palidez.

– Os sufixos izar (desde que o radical da palavra original não termine com s).

Profissional – profissionalizar/ material – materializar/ final – finalizar.

– Como consoante de ligação se o radical não terminar com s.

Só+inho= sozinho, café+al= cafezal, pé+inho= pezinho.

O som ‘G’ e ‘J’

Escreve-se com ‘g’:

– As palavras de origem grega ou árabe.

Geometria, tigela, girafa, gesso, ágil.

– Palavras de origem estrangeira que já tem ‘g’ na grafia.

Gim, sargento, ginásio, ginástica.

– As terminações agem, igem, ugem, ege, oge – (Há exceções).

Imagem, vertigem, viagem, penugem, foge, bege, coragem, ferrugem.

Exceção – pajem

– As terminações ágio, égio, ígio, ógio, ugio

Pedágio, sacrilégio, litígio, relógio, refúgio.

– Os verbos terminados em ger e gir.

Proteger, eleger, mugir, fugir.

– Depois da letra ‘r’.

Submergir, emergir, surgir, divergir.

– Depois da letra ‘a’. (Desde que não seja radical terminado com j)

Ágil, agente, ágio.

Escreve-se com ‘j’:

– As palavras de origem latina.

Jeito, majestade, hoje, jogo, beijo.

– As palavras de origem árabe, africana e outras.

Alforje, jiboia, manjerona, laranja, jarra, azulejo, Iemanjá, Jurema, jiló, jagunço.

– As palavras terminadas em ‘aje’.

Laje, ultraje, traje.

– As palavras de origem tupi.

Caju, canjica, jabuticaba, jacarandá, maracujá, jiboia, Marajó.

3 – O fonema ‘ch’ – som.

Escreve-se com ‘x’:

– As palavras de origem tupi, africana e exótica.

Abacaxi, muxoxo, xucro.

– As palavras de origem inglesa (sh) e espanhola (j).

Xampu, lagartixa

– Depois de ditongo.

Frouxo, feixe.

– Depois de en.

Enxada, enxurrada, enxoval.

A exceção fica por conta de palavras que derivem de outras que já começam com ch – enchente (cheio).

Escreve-se com ‘ch’:

– As palavras de origem estrangeira.

Chave, chumbo, chassi, salsicha, sanduíche, mochila, chope.

4 – Uso das letras ‘e’ e ‘i’.

– Os ditongos nasais são escritos com ‘e’:

Mãe, põem.

A exceção: o ditongo interno cãibra.

– Os verbos que apresentam infinitivo em oar e uar são escritos com ‘e’.

Caçoe, tumultue.

– Os verbos com infinitivo em air, oer, uir são escritos com ‘i’.

Trai, dói, possui, cai.

Atenção para as palavras que têm significado diferente quando grafados com ‘e’ ou com ‘i’:

Área – superfície. Ária – melodia.

Delatar – denunciar. Dilatar – expandir.

Emergir – vir à tona. Imergir – mergulhar.

Peão – trabalhador. Pião – brinquedo.

6 comentários

Deixe uma resposta